“Getting Down to Business” (artigo)

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn2Email this to someone

“Getting Down to Business”
A nova era de startups é muito animadora, mas o desafio da monetização continua imenso.

Michel Lent Schwartzman – Agosto de 2012.

O sucesso astronômico do Angry Birds, a venda do Instagram por USD 1 bi para o Facebook e mais uma série de ‘histórias de sucesso’ que imprensa tem noticiado nos últimos meses trouxe de volta um frenesi inegável para o mercado de tecnologia.

A história não chega a ser inédita. Quem já estava por aqui em 1999 se lembra das loucuras que rondavam o então mercado .COM, onde qualquer empresa de tecnologia ganhava investimentos fartos e pagava salários absurdos em busca do sonhado IPO e da chance de fazer milionários

Muita gente se beneficiou nesta ciranda que era então, basicamente financeira. Porque apesar de toda a promessa do incrível mundo que a tecnologia podia fazer, havia verdadeiramente pouca massa crítica de usuários de internet naquela época, 360 milhões de usuários em todo o mundo, sendo que pouco mais de 5 mihões no Brasil e o número de empreendimentos de internet acabava sendo completamente desproporcional aos usuários disponíveis.

Doze anos depois a realidade é completamente diferente. Mais de 1/3 da população mundial já acessa a internet através de computadores, 1 bilhão em uma única rede social (Facebook), mais de 90 milhões de usuários de internet no Brasil, e quando incluímos nesta conta os usuários de telefone celular que começam a acessar a internet através de seus dispositivos móveis, chegamos a números verdadeiramente astronômicos.

É verdade. Hoje é possível se construir um serviço digital e ter ele acessado rapidamente por milhões de usuários em todo o mundo. Algo que você cria em sua casa com um grupo de amigos, pode ter uma popularidade astronômica.

Escolhi a palavra ‘popularidade’ de propósito.

Num mundo com bilhões de usuários de internet, ter algo popular, se você for parar para pensar, é algo até bastante simples de acontecer. Inventar algo que é popular é muito bacana e recompensador do ponto de vista pessoal, mas a popularidade em nada garante seu sucesso financeiro.

Os modelos de receita baseados em publicidade se mostraram insustentáveis. Se o New York Times tem dificuldade em viabilizar sua operação online com publicidade, é sinal de que o modelo apresenta problemas e a reposta para isso é simples: as propriedades digitais em busca de publicidade aumentaram exponencialmente nos últimos anos enquanto o número de grandes anunciantes permaneceu o mesmo, ou diminuiu (face as consolidações das empresas).

E ter o sucesso financeiro, não baseado em publicidade, de um Instagram ou de um Angry Birds, não tem nada de simples.

A Rovio, empresa que criou o Angry Birds, já existia há mais de 10 anos e havia lançado 52 jogos antes de acertar a mão com os pássaros zangados. E o Instagram estava no lugar e na hora certa na negociação financeira feita com o Facebook.

Mérito da Rovio e do Instagram? Sem dúvida. A questão é que para cada caso de sucesso há dezenas de milhares de outros casos de fracasso.

Muitos fracassos podem ser atribuídos a falta de sorte. Sim, por mais que você se esforce e faça seu trabalho, a sorte é ainda assim um fator importante em todo caso de sucesso.

Mas a grande maioria dos casos de fracasso, nada tem a ver com a sorte. Tem a ver simplesmente com a falta de definição clara do modelo de negócios que não seja baseado em publicidade.

A pessoa tem a idéia e a idéia pode ser até bem popular e ganhar milhões de usuários, mas acha que vai ganhar dinheiro com propaganda. A receita de publicidade pode até ser suficiente para um indivíduo sozinho, mas dificilmente irá sustentar uma empresa. Portanto, se não houver outro modelo de receita e de negócios claro, basicamente estamos falando de algo que está fadado a se tornar insustentável a longo prazo.

Ao longo dos últimos anos tive o privilégio de receber dezenas de empreendedores iniciando suas startups com idéias muito bacanas, mas a pergunta que sempre fazia na mesa depois de assistir ao ‘pitch’ inicial era: “OK, mas como é que isso vai dar dinheiro?” e quando a resposta era “Com publicidade”, sempre acabávamos voltando para a estaca zero.

Se você está no momento de empreender, aproveite a boa onda e o bom momento. Suas chances de sucesso são sim imensas, desde que você não deixe de ‘get down to business’ definindo modelos de negócio sustentáveis, logo no primeiro momento.

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn2Email this to someone

3 comentários em ““Getting Down to Business” (artigo)

  1. Três anos após a publicação, seu artigo continua mais atual que nunca. Numa arena onde há milhões de coisas grátis, dificilmente os internautas se dispõe a pagar por um produto-serviço que não possua um apelo muito forte ou ofereça um grande diferencial no mercado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *