A Hora da Internet

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn26Email this to someone

Em 2005 escrevi o artigo “Feliz Internet Nova“, onde dizia que aquele ano seria o ano da internet. O ano em que as coisas já estavam maduras e que tudo começava a caminhar bem afinal, pra quem estava nesse mercado já há mais de 10 anos.

Parecia que ia ser, mas não foi.

Depois em 2006, 7, 8 e por ai em diante, todos os anos, parecia que a internet ia virar o mainstream, mas nada.

Depois de um tempo desisti de acompanhar. Fui para o mobile. Mergulhei no mundo das agências de propaganda. E o digital passou a ser mais uma ferramenta dentro do toolkit. Importante, mas mais uma.

Vira 2015 e 8 meses dentro do novo governo Dilma, o pais está mergulhado no caos. Eu tenho idade pra me lembrar do que foi a hiperinflação, os planos econômicos e mesmo o governo Collor. Mas todos dizem que agora é a pior de todas as crises. Pode ser.

No meio desse redemoinho louco, sentado na cadeira do mundo das agências e da publicidade, vejo despontar o impensável. Ou o há tanto tempo desejado: 2015 pode ser sim, afinal de contas, e quase 20 anos depois de seu início, o ano da internet.

No meio da pior crise de que se tem notícia, surge a licença para a ruptura com os modelos vigentes e a busca de solução. E essa busca, tudo indica, é o grande motor que está fazendo com que empresas e anunciantes corram para o digital, talvez por ser sua única solução.

Formas de anunciar menos dispendiosas ou ao menos mais aferíveis. Novos formatos de mídia, novos formatos de conteúdo, provocando um grande movimento de troca de agências, busca de novas soluções. Investimento em tecnologia. Investimento em inovação.

O mundo parece estar ruindo em diferentes frentes sim. E aquilo que existia, pode ser que nunca mais vá existir. Dinheiro evapora. Novos formatos aparecem mas não remuneram como antes. Empresas desaparecendo, profissionais sem rumo de um lado. Novas empresas e profissionais surgindo de outro.

No meio do mais impensado caos e da crise, e talvez pela razão menos nobre, parece que finalmente estamos de frente com o tão esperado “ano da internet”.

Vendedores de guarda-chuvas e lenços, uni-vos. Essa é a sua, nossa chance.

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn26Email this to someone

2 comentários em “A Hora da Internet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *